Pastor Lourival, que ministrava cultos em uma igreja evangélica do interior do MT. Créditos: Redes sociais/Reprodução

Usando desculpas absurdas para tal conduta, clérigo já era investigado há quase um ano e duas de suas vítimas são menores de idade. Ele responderá por estupro

 

Por Henrique Rodrigues

A Polícia Civil de Mato Grosso prendeu um pastor na cidade de Confresa, a 737 km a nordeste de Cuiabá, que há quase um ano era investigado por passar “óleo ungido” nas partes íntimas de fiéis de sua congregação. Entre as vítimas dos crimes sexuais do clérigo evangélico estão duas menores de idade.

As denúncias contra Lourival Santos de Andrades, de 42 anos, começaram a vir à tona em agosto de 2021, quando uma mulher registrou um boletim de ocorrência na delegacia do município. De acordo com os seguidores da igreja, Lourival mora em Cuiabá e ia eventualmente a Confresa para ministrar cultos, ocasião em que aproveitava para abusar das frequentadoras de sua igreja.

De acordo com as vítimas, o pastor as chamava individualmente em um recinto privado na sede da denominação e lá dentro, a sós, dizia que era necessário abençoá-las com o tal “óleo ungido” na vagina, para que fosse tirada a “magia negra” que vivia nelas. Contrariadas e totalmente constrangidas, as mulheres permitiam o ato abusivo por confiarem na liderança religiosa, mas percebiam que algo estava errado naquela conduta. Foi aí que algumas delas passaram a denunciá-lo às autoridades.

Uma das menores conta que certa vez recebeu uma chamada de vídeo do pastor Lourival. Ao atender, o líder da igreja evangélica teria iniciado uma conversa desinteressada com ela, mas sempre exibindo e manipulando seu pênis. Já a outra adolescente, que segundo a polícia tem 17 anos, afirma que foi estuprada por Lourival no banheiro da igreja em fevereiro deste ano, após ele passar o suposto “óleo ungido” no seu corpo. A jovem relatou que se sentiu mal e desmaiou, sendo posteriormente violentada pelo acusado.