Se os Estados Unidos realmente querem parar com a guerra, não seria difícil conseguir um cessar-fogo entre a Rússia e a Ucrânia

Rádio Internacional da China – “Nós nos opomos à informação falsa alegando que a China está prestando assistência militar ao lado russo”, afirmou o embaixador chinês nos Estados Unidos, Qin Gang, ao ser entrevistado pela imprensa norte-americana, refutando a difamação do Ocidente contra a China através da questão da Ucrânia.

Foi observado que tanto antes quanto depois do início do conflito Rússia-Ucrânia, alguns políticos e meios de comunicação dos EUA já haviam espalhado notícias falsas contra a China, e o rumor de que o país asiático poderia ter fornecido assistência militar à Rússia foi uma “água suja” que o lado americano tentou jogar. O objetivo era difamar a China e causar um descontetamento entre esta e a Rússia, transferindo contradições internas para o exterior. A Reuters citou estudiosos dizendo que tais ações equivalem a uma aposta e “chantagem” bem elaborada por parte dos EUA.

Diante dos fatos, os truques do lado norte-americano parecem ridículos. Desde o início da crise na Ucrânia, a China tem se empenhado em promover negociações de paz, além de ter apresentado uma iniciativa de seis pontos para evitar uma crise humanitária na Ucrânia. Atualmente, a China já forneceu vários lotes de ajuda humanitária ao país europeu, enviando alimentos, remédios, sacos de dormir e leite em pó para a população local, em vez de fornecer armas e munições. A China também expressou sua disposição de continuar fornecendo assistência humanitária para o lado ucraniano de acordo com a evolução da situação e as necessidades reais.

Por outro lado, os Estados Unidos, que originaram a crise da Ucrânia, sempre estiveram fazendo provocações para agravar os problemas. Desde o final da Guerra Fria, promoveu cinco vezes a expansão da Otan para o leste da Europa, prejudicando repetidas vezes o ambiente de segurança em torno da Rússia. Desde 2014, os EUA enviaram bilhões de dólares em ajuda militar para a Ucrânia, além da Otan ter realizado exercícios militares frequentes em grande escala com a Ucrânia, empurrando o país para a vanguarda da contenção da Rússia. Foram os atos de agitação de Washington que lançaram as raízes para a explosão da crise na Ucrânia.

Há comentários dizendo que se realmente estivessem preocupados com o povo ucraniano, os EUA deveriam promover a paz, e não fornecer armas e munições. Há também análises indicando que o atual impasse nas negociações Rússia-Ucrânia é precisamente porque o governo ucraniano está sob o controle estadunidense. Se os Estados Unidos realmente querem parar com a guerra, então não seria difícil conseguir um cessar-fogo entre a Rússia e a Ucrânia o mais rápido possível.