A exploração foi liberada até mesmo em terras indígenas, o que é proibido pela Constituição

 

As autorizações para exploração de nióbio na Amazônia mais do que dobraram no governo de Jair Bolsonaro (PL), informa a Folha de S. Paulo. Ele é um entusiasta do metal.

Dentre as áreas liberadas pela ANM (Agência Nacional de Mineração) para a exploração estão nove assentamentos de reforma agrária e franjas de duas terras indígenas e de uma unidade de conservação federal. Não há evidências de que os assentados tenham sido consultados sobre a liberação.

A exploração mineral em terras indígenas é vedada pela Constituição Federal, o que Bolsonaro tentou mudar em 2020, com um projeto de lei que buscava liberar a prática. O projeto, porém, não avançou.