Lázaro Ramos conta sobre sua amizade com o ator Wagner Moura, relembra como se tornaram amigos e fala sobre uma cena em que atuaram juntos que deixou Wagner sem palavras.

Lázaro Ramos fala sobre amizade com Wagner Moura e revela apelido inusitado

Durante uma entrevista ao podcast Podpah, o ator falou sobre sua amizade de 27 anos com o também ator Wagner Moura, que deu início quando os dois entraram para o teatro em Salvador, na Bahia. No decorrer da conversa, Lázaro revelou um apelido inusitado do amigo.

Wagner é meu amigo desde que eu tinha 16 anos. Nos conhecemos em Salvador, no teatro. Ele era um cara esquisitíssimo e o apelido dele era OVNI. Ele andava com um cabelão na frente do rosto, de roupa preta, muito esquisito mesmo”, contou Lázaro durante a entrevista. “Eu tinha um pouco de medo dele mal nos falávamos. Até que um dia Wagner foi ao teatro me ver, foi falar comigo no camarim e me pediu para ser amigo dele. Fiquei amigo dele por medo”, falou brincando.


Entrevista de Lázaro Ramos. (Reprodução/Youtube)


O artista também contou que a dupla saiu da Bahia juntos para irem à Pernambuco realizar um trabalho no teatro. Lázaro mencionou que Wagner é padrinho de seu filho e que nunca havia imaginado tal nível de amizade e que ambos estavam felizes só em fazer teatro. O ator revelou que não esperava que seguiria a carreira como ator e que fez teatro sem ter ideia de que queria seguir essa profissão. “Eu trabalhava em um hospital fazendo exames de sangue e fazia teatro. Me fazia bem, mas não sabia que dava para viver isso. Eu fiz teatro sem assistir teatro. Minha família não tinha grana, não tinha cultura de ir ao teatro. Primeira vez que eu vi uma peça eu fiquei: ‘Como faz para fazer isso?’”. 

O ator relembrou de uma cena que contracenou ao lado do amigo Wagner e de como foi a reação do companheiro, devido a cena ser de racismo, e o discurso do personagem de Lázaro ter pegado Wagner de surpresa e não ter conseguido seguir o roteiro. “Depois, eu falei: ‘Wagner, por que você não falou o texto?’, ele falou: ‘Irmão, depois de alguém dizer isso pra outra pessoa, só pra eu calar a boca, não posso usar meu texto’” assim, Lázaro contou que o amigo abriu mão do roteiro por não querer prosseguir com o texto que tinham lhe passado.