Especialistas locais já discordam da medida: há quem ache o valor alto demais e com possibilidade de esvaziar os investimentos em criptomoedas no país

A ministra da Economia e de Assuntos Corporativos da Índia, Nirmala Sitharaman, anunciou nesta terça-feira (1º) os planos para a regulamentação do mercado de criptomoedas no país. A principal medida é a criação de uma taxa de transferência para “bens virtuais”, o que inclui tanto criptomoedas quanto tokens não-fungíveis (NFTs).

O imposto será de 30% sobre cada transação, o que deve reduzir a utilização de criptomoedas para atividades criminosas e também a aplicação de fraudes envolvendo o assunto — além de legalizar esse tipo de economia digital e evitar futuros banimentos no país.

 

Por enquanto, o processo de estudo sobre a coleta da taxa ainda está em fase de estudos. Especialistas locais já discordam da medida: há quem ache o valor alto demais e com possibilidade de esvaziar os investimentos em criptomoedas no país, enquanto outros profissionais da área comemoraram a regulamentação por ajudar a oficializar e criar uma base para o ecossistema local no setor.

Rúpia digital

Em paralelo ao novo imposto, a ministra também anunciou que a Índia vai entrar no setor de moedas digitais construídas em tecnologia blockchain. A “rúpia digital” será desenvolvida pelo Reserve Bank of India e entra em vigor neste ou no próximo ano — seguindo a tendência da China, que já é um sucesso no setor.