Igor Felippe (Foto: Reprodução/Youtube)

Para coordenador de Comitês Populares de Luta, esquerda precisa retomar relação com base da população para além dos períodos eleitorais

Opera Mundi – “O povo brasileiro é de muita luta. E é sábio. Sabe o momento em que pode ganhar na luta política ou o momento em que sua luta principal é pela sobrevivência”, declarou Igor Felippe Santos, jornalista, militante do Movimento  Brasil Popular e do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), em entrevista a Breno Altman no programa SUB40 desta quinta-feira (09/06).

Coordenador dos Comitês Populares de Luta pela eleição de Luiz Inácio Lula da Silva em 2022, o militante de 39 anos avalia que a luta do povo brasileiro passou por um refluxo por conta do golpe contra a ex-presidente Dilma Rousseff, da pandemia, do bolsonarismo, do desemprego e da fome.

Para ele, uma das explicações possíveis para este cenário de refluxo seria por conta de um consciência do povo de que, em eventuais derrotas, a classe trabalhadora é quem mais sai prejudicada deste processo.

.

Ainda assim, na batalha para reverter a desmobilização, o Movimento Brasil Popular realiza o trabalho de base junto ao Partido dos Trabalhadores (PT) e à Central Única dos Trabalhadores (CUT), congregando diversos movimentos sociais, como o MST, o Movimento de Mulheres Camponesas (MMC) e o Levante Popular da Juventude. Um dos desafios centrais é superar as dificuldades das campanhas Fora Bolsonaro em contagiar as massas nos últimos anos.

Santos cita, como fator de desarticulação, as mudanças profundas no mundo do trabalho e nas relações trabalhistas, em que 35 milhões de brasileiros vivem na informalidade. “Numa relação não regulamentada é muito mais difícil se organizar. Como o trabalhador informal vai lutar no território e pressionar o Estado?”, pergunta.

Em contraponto, observa, os comitês de base que têm conseguido avançar mais em termos de organização e mobilização são aqueles que tratam com prioridade de temas mais próximos dos problemas concretos da população, como o desemprego e a fome.

A tarefa, portanto, é muito maior e mais complexa do que simplesmente levar Lula à presidência, avalia Igor. “A partir do processo de enraizamento dos comitês populares, queremos sair da campanha com melhores condições para enfrentar as lutas que virão no próximo período”.

Durante a entrevista, os jornalistas discutiram também a transformação brutal dos modos de fazer campanha em anos recentes e a defasagem da esquerda no domínio das redes sociais e da comunicação via aplicativos como WhatsApp e Telegram, dominados com maior eficiência pelo bolsonarismo.

Na avaliação de Igor, a esquerda chegou tarde ao mundo das novas tecnologias, aprisionada por paradigmas antigos de comunicação, que de certa forma ainda se mantêm no presente.

“Em 2018 houve um choque: como é que Bolsonaro se elege presidente com oito segundos na televisão? A partir de lá conseguimos avançar um pouco, mas estamos aquém da necessidade que o momento histórico nos coloca”, reconhece.

Altman mencionou o descompasso entre a comunicação da direita, mais minimalista, telegráfica e com pouco a dizer, e da esquerda, tradicionalmente discursiva, e Santos observou que em termos numéricos Lula ainda não derrota Bolsonaro em nenhuma rede social. O desafio para o campo progressista, em 2022, passará por esse confronto inevitável e pela urgência em reconstruir uma comunicação direta e eficaz com os setores populares.