Depois da Libertadores, Campeonato Paulista, Carioca, Copa América, dividir a Copa do Brasil e o Brasileiro, agora, a emissora carioca ficou também sem o Mundial de Clubes, em fevereiro

A Globo vai acumulando perdas e mais perdas. Sem o Mundial de Clubes, depois de 21 anos

 

2022 começará da pior maneira para a Globo.

A emissora carioca, que um dia teve o monopólio do futebol no Brasil, tinha preparado uma equipe de 40 pessoas para a transmissão do Mundial de Clubes, em fevereiro.

O empenho era total, afinal haverá a participação do Palmeiras, clube da praça mais rica, mais importante para a sua programação. E a dona dos direitos era a velha parceira, a Fifa.

Deveria estar tudo certo.

Só que a estratégia usada foi a que quase causou a perda da Copa do Mundo de 2022. Desta vez, a conseqüência acabou sendo muito maior.

A emissora alegou à Fifa a crise enfrentada pela pandemia e quis um grande desconto na compra do direito de transmissão. A resposta foi ‘não’. E a Bandeirantes ficou com a competição.

É mais um grande golpe para o departamento de esporte da emissora.

 

Dos 40 profissionais que tinham a certeza de trabalharem na cobertura do evento, apenas quatro irão, para registrar o Mundial.

A relação da Globo com a Fifa está cada vez mais distante.

Para manter o direito de transmitir a Copa do Mundo de 2022, a emissora teve de entrar na justiça, para pagar menos do que havia combinado. Alegando pandemia.

A Globo, por economia, abriu mão da exclusividade na Copa do Brasil do próximo ano. A repartiu com a Amazon Prime Video.

O contrato da emissora carioca com a CBF para a transmissão da Copa do Brasil termina justamente em 2022. Há outras emissoras interessadas. A Globo já sinaliza que não tem como manter o pagamento de R$ 300 milhões pelo evento.

Para piorar a situação, o Campeonato Brasileiro enfrenta a fuga de público.

A média de audiência do torneio de 2021, mal chegou a 18 pontos em São Paulo, principal foco da emissora. Em 2020, havia ficado em 21 pontos.

A situação é mais que preocupante.

A Globo levará para a Copa do Catar uma equipe muito menor do que a que foi ao Mundial da Rússia em 2018.

A profunda crise econômica da emissora é a responsável por tantas perdas no futebol.

Profissionais que trabalham na Globo estão preocupados.

E assustados…