Cena do filme "Jumbo", de Zoé Wittock, em cartaz no Festival Internacional de Cinema LGBTQIA+ — Foto: Foto: Divulgação

Por g1 DF

Festival Internacional de Cinema LGBTQIA+ realiza exibições gratuitas de filmes, pela internet, a partir desta quinta-feira (9). Na sétima edição do evento, o público poderá acompanhar 10 longas e 17 curtas-metragens, de 19 países diferentes.

O festival vai até 15 de junho e os filmes seguem um calendário específico de exibição (veja programação abaixo), na plataforma Sesc Digital. Para assistir, bastar clicar no pôster da produção audiovisual.

O evento é coordenado pelas embaixadas da Embaixadas da Bélgica, Dinamarca, Luxemburgo, Reino Unido e Suécia. A produção é uma parceria entre as embaixadas da África do Sul, da Alemanha, da Austrália, da Áustria, do Canadá, do Chile, da Espanha, dos Estados Unidos, da Eslovênia, da França, da Finlândia, da Irlanda, da Itália, dos Países Baixos, de Portugal e da Suíça.

A produção conta ainda com o British Council, o Instituto Camões, e pelo Wallonie – Bruxelles International no Brasil, em correalização da Delegação da União Europeia no Brasil e o Sesc São Paulo. Apoiam o evento, o Festival Curta Brasília e da UNAIDS, o Programa Conjunto das Nações Unidas para HIV/AIDS.

Programação

 

Cena do filme "Shams", de Pauline Beugnies, em cartaz no Festival Internacional de Cinema LGBTQIA+ — Foto: Foto: Divulgação

Cena do filme “Shams”, de Pauline Beugnies, em cartaz no Festival Internacional de Cinema LGBTQIA+ — Foto: Foto: Divulgação

Para a edição de 2022, foram escolhidos 27 filmes que abordam temas importantes para a comunidade LGBTQIA+. Entre eles: a luta por direitos, a descoberta da própria identidade, a homofobia e transfobia, o amor na população idosa, a luta contra os convencionalismos sociais e culturais e o impacto da COVID-19.

Filmes disponíveis de 9 até 15 de junho

  • “Shams”, de Pauline Beugnies, Bélgica – classificação indicativa: 12 anos
  • ”Jules & Eu” (Jules & ik), de Anne Ballon, Bélgica – classificação indicativa livre
  • ”Luz de presença”, de Diego Costa Amarante, Portugal – classificação indicativa livre
  • ”O teu nome É ”, de Paulo Patricio, Portugal – classificação indicativa: 16 anos
  • ”Dominique”, de Tatiana Issa e Guto Barra, Brasil – classificação indicativa: 16 anos
  • ”Soccer Boys”, de Carlos Guilherme Vogel, Brasil – classificação indicativa livre
  • ”Agora Você É Uma Mulher” (Now you are a woman), de Alba Muñoz, Espanha – classificação indicativa: 14 anos
  • ”Sirley” (Maledetta primavera), de Elisa Amoruso, Itália – classificação indicativa: 14 anos
  • ”Garoto Conhece garoto” (Boy meets boy), de Daniel Sánchez López, Alemanha – classificação indicativa: 16 anos
  • ”Primeiro dia” (First day), de Julie Kalceff, Austrália – classificação indicativa livre
  • ”Telefone fixo” (Landline), de Matt Houghton, Reino Unido – classificação indicativa livre
  • ”Balada” (Night out), de Amelia Hashemi, Reino Unido – classificação indicativa livre
  • ”Greta Gratos”, de Séverine Barde, Suíça – classificação indicativa: 14 anos
  • ”Não Há Homens Gays no Zimbábue” (No Gay Men in Zimbagwe), de Carl Collison, África do Sul – classificação indicativa: 10 anos
  • ”Covid-19 e Os Trabalhadores Sexuais Transgêneros da Cidade do Cabo” (Covid-19 and Cape Town’s Homeless Transgender Sex Workers), de Carl Collison, África do Sul – classificação indicativa: 10 anos
  • ”Simon e Eu” (Simon & I), de Beverly Ditsie, África do Sul – classificação indicativa: 12 anos
  • ”As Lésbicas Libertam Todos” (Lesbians Free Everyone – The Beijing Retrospective), de Beverly Ditsie, África do Sul – classificação indicativa: 12 anos
  • ”Consequências” (Posledice), de Darko Stante, Eslovênia – classificação indicativa: 14 anos
  • ”Tom da Finlandia” (Tom of Finland), de Dome Karukoski, Finlândia – classificação indicativa: 18 anos
  • ”Namorando Amber” (Dating Amber), de David Freyne, Irlanda – classificação indicativa: 14 anos
  • ”Uma carta insone”, de Julia Dantas, Brasil – classificação indicativa livre

Em cartaz dia 9, às 20h

  • ”Naomi Campbel”, de Camila Donoso e Nicolas Videla, Chile – classificação indicativa: 14 anos

 

Em cartaz dias 9 e 10 de junho

  • ”120 Batimentos Por Minuto” (120 battements par minute), de Robin Campillo, França -classificação indicativa: 16
  • ”Vivendo. Amando” (Living. Loving), de Mettee Aakerholm Gardell, Suécia – classificação indicativa livre
  • ”Eu Não Sou um Número: Alejandra” (I am not a Number: Alejandra), de Transketeers, Países Baixos – classificação indicativa livre

 

Em cartaz de 9 a 13 de junho

  • ”Jumbo”, de Zoé Wittock, Luxemburgo – classificação indicativa: 14 anos

 

Em cartaz dia 10 de junho, das 18h até 00h

  • ”Pequenos gigantes” (Giant Little Ones), de Keith Behrman, Canadá – classificação indicativa: 16 anos

 

VII Festival Internacional de Cinema LGBTQIA+