Por Ataíde Santos

 

E o que se vê é o Brasil igual carro desgovernado ladeira a baixo.

É claro que uma decisão judicial deve ser cumprida. Não aqui no Brasil. Aqui decisão de juiz se discute, questiona-se juiz em férias, espera-se votar lei que se confira o não cumprimento de decisão,  e réu, até se esconde no parlamento para não fazê-lo.

Aqui o presidente do senado sucessor na hierarquia presidencial, tendo decisão judicial de afastamento do cargo, “fincou pé” e não saiu. O STF foi que apertando daqui afrouxando dali, determinou que o “réu” poderia ficar no cargo, só não podia assumir a presidência.

Aqui, a depender do suspeito do crime, o delegado que investiga o caso é afastado do cargo.

Somos a terra  onde o presidente da câmara senta em cima de mais de 100 pedido de impeachment do presidente da república.

Onde o PGR incorpora o lado cego e surdo da justiça, para não ver os crimes de suas excelências, a  do partido que  esteja filiado.

Viva o Brasil, terra onde preto discrimina preto por ser preto, por ter cabelo duro e volumoso.

Viva o país que detém o título de maior produtor/exportador de proteína e sua população não tem acesso a ela.

Viva a nação que tem reservas de petróleo avaliadas em trilhões de dólares e tem a gasolina como uma das mais caras do planeta.

Viva a pátria cujas forças armadas deixam de lado os canhões, assumem as canetas para rifar o país.

Por fim, concluo dizendo: No Brasil as instituições funcionam. De forma capenga, só pra um lado.