“Sim, esse é o preço que estou disposto a pagar”, afirmou o tenista sérvio, número um do mundo, em entrevista à BBC

 

Reuters – O tenista sérvio Novak Djokovic disse que não é contra a vacinação, mas que pularia os torneios do Grand Slam se fosse forçado a tomar a vacina contra a Covid-19.

Djokovic, que não está vacinado, foi deportado da Austrália após uma experiência de montanha-russa de 11 dias envolvendo dois cancelamentos de vistos, duas contestações judiciais e cinco noites em duas passagens em um hotel de detenção de imigrantes onde os requerentes de asilo são mantidos. consulte Mais informação

“Sim, esse é o preço que estou disposto a pagar”, disse o sérvio de 34 anos à BBC, acrescentando que estava ciente de que não poderia viajar para a maioria dos torneios do mundo atualmente por causa de seu estado não vacinado.

Outra vitória em Melbourne Park, onde Djokovic conquistou nove títulos, poderia tê-lo levado a um recorde masculino de 21 grandes títulos, mas foi seu rival de longa data, Rafa Nadal, que avançou ao erguer o troféu no mês passado.

Djokovic disse que estava pronto para sacrificar sua chance no marco pela “liberdade de escolha”, mas estava mantendo a mente aberta sobre o futuro.

“Nunca fui contra a vacinação”, disse ele, acrescentando que tomou vacinas quando criança. “Mas eu sempre apoiei a liberdade de escolher o que você coloca em seu corpo.

“Entendo que, globalmente, todos estão tentando fazer um grande esforço para lidar com esse vírus e ver, espero, um fim em breve para esse vírus”.