Forças Armadas, urnas eletrônicas e Jair Bolsonaro (Foto: ABr | Alan Santos/PR)

Cientista político critica também a inclusão de militares na comissão do TSE

 

247 – O cientista político Paulo Sérgio Pinheiro afirma em entrevista ao jornal O Globo que a democracia brasileira vive uma crise sem precedentes sob o governo Bolsonaro. Para ele, a retórica de Bolsonaro de colocar em dúvida o sistema eleitoral mina a credibilidade do país na comunidade internacional e o soft power que o país já teve. Pinheiro é ex-secretário de Direitos Humanos do governo FH e preside uma comissão da ONU.

Paulo Sérgio Pinheiro diz que não há um componente sequer do elenco de direitos humanos definidos pelos pactos internacionais em que o governo Bolsonaro não tenha promovido um retrocesso.

De acordo com o cientista político, “nenhum governo tratou a sociedade civil como inimiga como este governo faz”. Ele cita como exemplos a questão indígena e a pandemia, temas em que o governo Bolsonaro foi denunciado em tribunais internacionais.

De acordo com Paulo Sérgio Pinheiro, “a democracia do Brasil está na UTI, e as instituições não funcionam”. Critica o procurador-geral da República, Augusto Aras, como o “campeão de ineficiência” e o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, como “pau mandado” de Jair Bolsonaro.

Sobre o convite do TSE para as Forças Armadas participarem na Comissão de Transparência Eleitoral, considera um erro, equivalente a pôr “um cavalo de Troia lá dentro”.