Artemisinina, medicamento chinês contra malária (Foto: Mídia chinesa)

A artemisinina foi descoberta pelos chineses há 50 anos

Rádio Internacional da China – O ano de 2022 marca o 50º aniversário da descoberta de artemisinina. Há 50 anos, cientistas chineses, liderados por Tu Youyou, descobriram e extraíram com sucesso a substância, ajudando na erradicação da malária na China.

O medicamento foi fornecido generosamente pela China a todo o mundo. Como disse o presidente chinês, Xi Jinping, “a China fez importantes contribuições para a prevenção e o tratamento da doença no mundo e a proteção da saúde da humanidade”.

A artemisinina é eficaz, tem poucos efeitos colaterais, é barata e fácil de usar, por isso é muito popular na comunidade internacional. Segundo estatísticas conhecidas pela Organização Mundial da Saúde , o medicamento já salvou milhões de vidas em todo o mundo e cura centenas de milhões de doentes anualmente.

A China sempre valoriza a sinceridade na relação com amigos. Africanos lembram que, após o surto de Ebola, quando outros países saíram das zonas epidêmicas, a China mandou imediatamente equipes médicas e materiais à África e lutou ao lado das regiões do continente até acabar com o surto. A conduta chinesa explica o significado de “amigo”.

Hoje, a humanidade está enfrentando a pandemia mais grave do século. Assim como contribuiu com artemisinina no passado, a China mais uma vez estendeu sua mão para o mundo. Até o momento, o país já forneceu centenas de bilhões de materiais antiepidêmicos a 153 países e 15 organizações internacionais, além de 2,2 bilhões de doses de vacina a mais de 120 nações e instituições no exterior, contribuindo de forma decisiva para preencher a lacuna de imunidade e ajudar a humanidade a vencer a pandemia.

Não importa se o combate é à malária ou à Covid-19, o povo chinês está sempre pronto para ajudar e atuar ao lado dos povos de todos os países. O presente da China para o mundo vai muito além da artemisinina.