O Brasil vive uma onda de demissões voluntárias. Em 2021, o número de pedidos de demissão superou os de demissões sem justa causa – casos em que é a empresa que decide mandar alguém embora. Em 2022, o cenário não mudou muito: os três primeiros meses do ano quebraram recordes sucessivos no número de pessoas pedindo as contas.

O fenômeno tem sido chamado de “a grande renúncia”. A expressão foi cunhada pelo psicólogo e professor norte-americano Anthony Klotz para descrever a onda de demissões voluntárias nos Estados Unidos desde o começo da pandemia da Covid-19. A hipótese era de que os profissionais que já estavam querendo pedir as contas em 2020 talvez tivessem adiado o plano e deixado para quando a situação econômica e sanitária estivesse mais estável. Mas, e no Brasil?

Quem está pedindo demissão por aqui? Uma análise encomendada pela revista “Você S/A” mostrou que as ocupações que tiveram proporcionalmente mais demissões voluntárias em 2021 foram as de operador de telemarketing ativo e receptivo, seguido pelos auxiliares de logística e atendentes de lanchonete. Entre os que pediram demissão no ano passado, a maioria é composta por homens. Além disso, pessoas com até 30 anos foram as que mais tiveram participação entre os profissionais que pediram para sair.

Por que as pessoas estão pedindo as contas? A empresa norte-americana McKinsey conduziu uma outra pesquisa para entender os principais motivos que levaram os profissionais a se demitirem. Os motivos são: as pessoas perceberam que têm outras opções e elas estão desmotivadas e esgotadas.

A demissão precisa ser planejada com cuidado. Afinal, nem todo mundo pode pedir as contas sem saber como vai se virar no mês seguinte, e pedir demissão nem sempre vai ser a solução para todos os seus problemas. Mas uma alternativa para quem já decidiu que quer sair do trabalho atual é, em primeiro lugar, montar uma reserva de emergência para garantir que não ficará sem recursos até achar outro emprego.

Pedir demissão é um passo importante na carreira. Significa colocar um ponto final em uma relação profissional que pode ter durado anos. Se for a hora certa da grande renúncia para você, tudo bem. O importante é fazer essa renúncia com calma e a certeza de que você está no caminho certo.

Fonte – Equipe Nubank