.

Por – Ataíde Santos

 

Em sua sanha destruidora, o pseudo regente da nação “entrega-fácil”, continua determinado a destruir tudo que encontre pela frente. Seria o falso Messias, a nossa praga de gafanhotos? Também. É multifacetado. Diante da nação, age como barata: “Não come e faz cocô em cima para ninguém comer”.

É pra rir ou pra chorar? Para os dois. Risível para alguns (ao menos por enquanto) como por exemplo, a dupla  Sérgio Moro e Deltan Dallangnol que após enriquecerem entregando a estrangeiros o patrimônio nacional e “pegos com a mão na botija” , após deixarem seus cargos de juiz e procurador federal respectivamente, embora o segundo de moto próprio se subordine ao primeiro, no serviço público e fora dele também, e, buscam ambos se elegerem a presidente ou senador no caso do Moro e a senador no caso do Dallangnol. O que pretendem? Certamente enriquecerem ainda mais num outro poder e de quebra “ganhar” a tão sonhada imunidade parlamentar. Se eleitos ao senado serão oito anos nos braços da impunidade.

Para chorar fica o povão. Aquele mesmo dançou nas praças e gritou “mito, mito,mito” e agora percebeu que “dançou” em seus empregos, na falta de moradia, de saúde, de educação e principalmente , psicologicamente, quando percebe o quão foi enganado pela mídia, patrimônio do capital, mas , mais conhecida como “mercado” que os quer ignorante e submisso e que ainda idolatrem Bolsonaro e asseclas conquistadores, como dito da “impunidade de rebanho”. Isso graças a providencial falta de agilidade do judiciário e quiçá comprometimento de algumas, várias,  Suas Excelências.

Mas e nós meros mortais? O que nos cabe nessa briga entre os poderes (haverá ou é só jogo de cena, pois se locupletam?)  A nós, cabe a tarefa de acabar com esse “samba  do crioulo doido” ou simplesmente “balaio de gato”  iniciado pelo “menino pobre que chegou ao STF”, e se deixou cegar pelo holofotes da Globo e capas da Veja e assemelhadas, ao promover o “show da prisão” estrelado por José Dirceu.

Nunca na história desse país, se viu um voo com um preso, ser escoltado durante todo percurso, média de 55 minutos, por câmeras de televisão com transmissão ao vivo.

Era laboratório, Dirceu era um dos nomes mais fortes do Partido dos Trabalhadores, como não houve reação popular a prisão, viu-se que o bicho PT não era tão feio quanto se pintava e aí… Chegamos às mãos do mais vil, asqueroso, falso, incompetente e indiferente a dor do próximo presidente da república que se registra na história nacional. Nada de bom fez ou fará Bolsonaro para quem quer que seja a não ser para si mesmo. Duvido até que se algo acontecer a algum de sua igualmente asquerosa prole, ele se movimente para atenuar ou resolver algo em benefício de qualquer dos seus garotos. Na cabeça do atual presidente, vemos, só existe ele. E nos benefícios, se não é pra ele, não será pra ninguém. E como dito acima, se assemelha a baratas, “Não come e faz cocô em cima para ninguém comer”.