Baleado em campanha eleitoral, morre o ex-primeiro-ministro japonês Shinzo Abe

jul 8, 2022
Shinzo Abe (Foto: Reuters)

Informação é da emissora pública japonesa NHK. Ele foi baleado enquanto participava de um comício eleitoral na cidade de Nara, no oeste do Japão

Reuters – O ex-primeiro-ministro Shinzo Abe, o líder mais antigo do Japão, morreu nesta sexta-feira (8) horas depois de ser baleado enquanto fazia campanha para uma eleição parlamentar, chocando um país onde a violência política é rara e as armas são controladas.

Um homem abriu fogo contra Abe, 67, por trás, com uma arma aparentemente caseira.

Foi o primeiro assassinato de um ex-primeiro-ministro japonês desde os dias do militarismo pré-guerra na década de 1930.

O hospital que atendeu Abe informou que a morte ocorreu às 17h03 (0803 GMT), cerca de cinco horas e meia depois de ser baleado. Um médico disse que Abe sangrou até a morte.

Falando antes da morte de Abe ser anunciada, o primeiro-ministro Fumio Kishida condenou o tiroteio nos “termos mais fortes”, enquanto o povo japonês e os líderes mundiais expressaram choque.

“Este ataque é um ato de brutalidade que aconteceu durante as eleições – a base de nossa democracia – e é absolutamente imperdoável”, disse Kishida, lutando para controlar suas emoções.

Um oficial do corpo de bombeiros disse que Abe parecia estar em estado de parada cardíaca quando foi transportado de helicóptero para o hospital.

A polícia disse que um homem de 41 anos suspeito de realizar o tiroteio foi preso. A NHK citou o suspeito, identificado como Tetsuya Yamagami, que afirmou à polícia estar insatisfeito com Abe e que por isto queria matá-lo.

Abe estava fazendo um discurso de campanha do lado de fora de uma estação de trem quando dois tiros foram disparados por volta das 11h30 (0230 GMT). Autoridades de segurança foram vistas atacando um homem de camiseta cinza e calça bege.

“Houve um estrondo alto e fumaça”, disse o empresário Makoto Ichikawa, que estava no local, à Reuters, acrescentando que a arma era do tamanho de uma câmera de televisão. “No primeiro tiro, ninguém sabia o que estava acontecendo, mas depois do segundo tiro, o que parecia ser uma polícia especial o atacou.”

Transfusão

Mais cedo, o serviço de notícias Kyodo publicou uma fotografia de Abe deitado na rua, com sangue em sua camisa branca. As pessoas estavam amontoadas ao redor dele, uma administrando massagem cardíaca.

Os serviços de emergência de Nara disseram que ele foi ferido no lado direito do pescoço e na clavícula esquerda. Seu irmão, o ministro da Defesa Nobuo Kishi, disse que Abe estava recebendo transfusões de sangue.

A NHK mostrou imagens ao vivo da esposa de Abe, Akie, em seu caminho de trem para o hospital onde ele estava sendo tratado.

Airo Hino, professor de ciência política da Universidade Waseda, disse que tal tiroteio não tem precedentes no Japão. “Nunca houve nada como isso”, disse ele.

Políticos japoneses de alto escalão são acompanhados por agentes de segurança armados, mas muitas vezes se aproximam do público, especialmente durante as campanhas políticas, quando fazem discursos à beira da estrada e apertam a mão dos transeuntes.

Em 2007, o prefeito de Nagasaki foi baleado e morto por um gângster da yakuza. O chefe do Partido Socialista do Japão foi assassinado durante um discurso em 1960 por um jovem de direita com uma espada curta de samurai. Alguns outros políticos proeminentes do pós-guerra foram atacados, mas não feridos.

A polícia disse que o suposto atirador era um morador de Nara. A mídia disse que ele serviu nas forças armadas do Japão por três anos até 2005. O ministro da Defesa Kishi se recusou a comentar sobre isso.

Abe cumpriu dois mandatos como primeiro-ministro, deixando o cargo em 2020, alegando problemas de saúde. Mas ele continuava sendo uma presença dominante sobre o Partido Liberal Democrático (LDP).

Kishida, o protegido de Abe, esperava usar a eleição para emergir da sombra de Abe e definir seu cargo de primeiro-ministro, disseram analistas. Kishida suspendeu sua campanha eleitoral após o tiroteio. Todos os principais partidos políticos condenaram o ataque.