Tenista declarou que não viajou nas duas semanas antes de 5 de janeiro, mas fotos mostram o sérvio em seu país natal e na Espanha

Angus WatsonHenrique Andradeda CNN

Em Sydney e em São Paulo

A Força de Fronteira Australiana está investigando se Novak Djokovic apresentou uma declaração de viagem falsa antes da chegada à Austrália, disse uma fonte com conhecimento da investigação à CNN.

Djokovic declarou que não viajou e não o faria nos 14 dias que antecederam sua chegada à Austrália em 5 de janeiro, de acordo com uma declaração de viagem apresentada como prova ao tribunal determinando se ele teria permissão para permanecer no país.

Entretando, várias fotos tiradas durante esse período mostram Djokovic na Espanha e na Sérvia.

Em 25 de dezembro, o jornalista de tênis, José Morgado, compartilhou foto do sérvio em Belgrado. Uma semana depois, a Academia SotoTennis, localizada no sul da Espanha, postou vídeos de Djokovic treinando no local.

 

 

Embora os documentos judiciais mostrem que a Tennis Australia preencheu a declaração de viagem em nome de Djokovic, as informações usadas foram fornecidas pelo tenista, informou um oficial da Força no aeroporto de Melbourne.

A pena por enviar uma declaração de viagem falsa tem duração máxima de 12 meses de prisão, de acordo com o site do Departamento de Assuntos Internos da Austrália.

A equipe de mídia de Djokovic não respondeu aos pedidos de comentários da CNN.

A investigação da ABF ocorre quando o ministro da Imigração australiano, Alex Hawke, considera se deve exercer seu poder pessoal para cancelar o visto restabelecido de Djokovic.