Processo eleitoral é tema de oficinas voltadas a jovens de 15 a 17 anos, acompanhados pelo Centro de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (Cecon) Sobradinho

“A ideia é trazer para esses adolescentes o conhecimento necessário sobre como funciona o processo democrático, para que eles compreendam o que é democracia e os meios para participar” – Tereza Lana, chefe substituta do Cecon Sobradinho

Estimular a participação cidadã dos adolescentes nas eleições e combater as fake news. É com esse intuito que o Centro de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (Cecon) Sobradinho promove durante todo este mês de abril um ciclo de oficinas voltadas para adolescentes com idades entre 15 e 17 anos, frequentadores da unidade. Serão quatro oficinas, uma por semana, que abordam temas como Democracia e Eleições, Pesquisa Eleitoral, Processo Eleitoral, Urna Eletrônica e Difamação e Desinformação das Eleições.

O Cecon Sobradinho é uma unidade socioassistencial gerida pela Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes) e atende, atualmente, 60 adolescentes nessa faixa etária, de famílias em vulnerabilidade social. As oficinas são voltadas aos 25 integrantes do Coletivo Juvenil PowerPontes, grupo que atua na inclusão sociodigital dos adolescentes atendidos. O coletivo iniciou o percurso chamado #FakeToFora, com o objetivo de promover reflexões entre os jovens que se preparam para votar.

“A ideia é trazer para esses adolescentes o conhecimento necessário sobre como funciona o processo democrático, para que eles compreendam o que é democracia e os meios para participar. É incentivar uma reflexão sobre a importância da participação cidadã”, ressalta a educadora social Tereza Lana, responsável pelo projeto dentro da unidade e chefe substituta do Cecon Sobradinho.

“É importante que eles tenham consciência dessa capacidade de mudança da realidade. O voto faz com que os adolescentes se sintam valorizados e ouvidos dentro da sociedade” 

Mayara Noronha Rocha, secretária de Desenvolvimento Social

 

Tereza adaptou materiais disponibilizados pelo projeto #FakeToFora, do Instituto Palavra Aberta e do EducaMídia, para o contexto e os objetivos do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV) no Distrito Federal.

Na primeira oficina, Democracia e Eleições, além de refletir e discutir os conceitos e as compreensões dos jovens sobre o assunto, os adolescentes participaram da campanha #RolêdasEleições, promovida nas redes sociais pelo Tribunal Superior Eleitoral (@tsejus), que busca incentivar os jovens de 16 e 17 a participarem do processo eleitoral.

“Tivemos a primeira oficina na semana passada e 11 dos 25 adolescentes do coletivo aceitaram fazer o título de eleitor. O prazo para tirar o documento é até o dia 4 de maio. A intenção é sensibilizar ainda mais jovens para que eles façam o título”, explica a educadora social. “Muitos deles estavam alheios ao processo eleitoral, alguns não sabiam nem que tinham que fazer o título de eleitor para votar.”

Um dos objetivos do ciclo de oficinas temáticas é evitar que os jovens sejam usados para disseminação de notícias falsas durante as eleições

Um dos adolescentes atendidos que decidiu fazer o título de eleitor foi Igor Felipe Marques, de 16 anos. “Eu estou animado em ter um título de eleitor. Minha expectativa agora é me informar, pesquisar cada vez mais para exercer meu voto com consciência”, relata.

“Questões como essas trabalhadas pela equipe de Sobradinho contribuem de forma significativa para a compreensão crítica da realidade social e, consequentemente, para a formação cidadã dos jovens atendidos” – Clayton Andreoni, diretor de Convivência e Fortalecimento de Vínculos da Sedes

Frequentador do Cecon Sobradinho há pouco mais de seis meses, Igor conta que se sentiu motivado depois da oficina. “Nós assistimos um vídeo sobre democracia e achei muito interessante, estou aprendendo sobre isso na escola também. Não sabia o que era democracia. Agora sinto que tenho até mais argumentos para conversar.”

“Projetos como esse, realizado no âmbito do serviço de convivência, são muito bem-vindos. Estimulam a compreensão crítica da realidade, o sentimento de pertencimento desses jovens à comunidade, a socialização. Fortalecer a cidadania é importante para prevenir situações de risco social, que é o objetivo do serviço”, reitera a secretária de Desenvolvimento Social, Mayara Noronha Rocha.

“É importante que eles tenham consciência dessa capacidade de mudança da realidade. O voto faz com que os adolescentes se sintam valorizados e ouvidos dentro da sociedade”, complementa a gestora.

Combate às fake news

Segundo a educadora responsável pelo projeto no Cecon Sobradinho, um dos objetivos desse ciclo de oficinas temáticas é evitar que os jovens sejam usados para disseminação de notícias falsas durante as eleições.

O DF tem, hoje, 16 Cecons que fazem um trabalho preventivo e proativo com famílias vulneráveis para evitar situações de risco social

“Mesmo sendo adolescentes de famílias em vulnerabilidade social, eles estão conectados o tempo todo e têm acesso a todo tipo de informação. A ideia é que tenham capacidade crítica para analisar esse volume de informações que recebem e possam também ser agentes da cidadania digital nas próprias famílias, evitando que seus familiares consumam e repassem fake news”, ressalta Tereza Lana.

Atualmente, o Cecon Sobradinho atende somente adolescentes na faixa etária de 15 a 17 anos de idade. A unidade trabalha com cinco coletivos de adolescentes.

“Questões como essas trabalhadas pela equipe de Sobradinho contribuem de forma significativa para a compreensão crítica da realidade social e, consequentemente, para a formação cidadã dos jovens atendidos. De forma geral, os percursos desenvolvidos com os adolescentes e jovens atendidos no SCFV trabalham questões relevantes para a juventude, proporcionando reflexões e vivências coletivas para o alcance de autonomia e protagonismo social”, avalia o diretor de Convivência e Fortalecimento de Vínculos da Sedes, Clayton Andreoni Batista.

 

Centros de Convivência

O DF tem, hoje, 16 Cecons. As unidades fazem um trabalho preventivo e proativo com famílias vulneráveis para evitar situações de risco social. Crianças, adolescentes e idosos são divididos em grupos por faixa etária e têm atividades específicas desenvolvidas por profissionais da Assistência Social de acordo com as particularidades de cada grupo.

Os centros têm o objetivo de ampliar trocas culturais e de vivências, desenvolver o sentimento de pertencimento e de identidade, fortalecer vínculos familiares e incentivar a socialização e a convivência comunitária.

*Com informações da Secretaria de Desenvolvimento Social do DF

Agência Brasília* | Edição: Rosualdo Rodrigues