Por  Ataíde Santos

 

A “vergonha alheia” de um discurso “fake”, de impedimento de entrar em um restaurante e por isso, a pizza na calçada, a dedada e a arminha de Ministros da Saúde e das Relações Exteriores, em mais uma viagem desastrada de Bolsonaro e sua equipe, são fichinha perto do que de fato ocorre no Brasil das autoridades insensíveis a miséria de seu povo.

Como diria o maior líder surgido em terras brasileiras, nunca na história desse país, se viu tanta bagunça. Uma verdadeira esbornia.

Um presidente sem consciência política do cargo que ocupa, do financeiro, esse sim, tem plena consciência do que pode, não deve fazer e faz.

Um presidente em cuja família qualquer deles sequer possui “curriculum vitae” , mas, folha corrida.

Em que país do mundo se imaginou que por ser filho do presidente, um vereador despache no palácio presidencial? Ou que um deputado federal pela mesma razão do anterior “tome” o lugar do chanceler e “represente” o país internacionalmente? Ou ainda que um terceiro filho, esse sem qualquer cargo, só por ser herdeiro do ainda titular da cadeira presidencial, ameace , mostrando armas, uma CPI formada por senadores da república por que esta cogitou da convocação de sua mãe “suspeita de vários crimes”?

Não tenho conhecimento de tantos desmando em qualquer país do mundo de caso semelhante. Mas… Estamos no Brasil!

Alguém disse que a diferença de comportamento do povo argentino e o brasileiro é que o primeiro foi colonizado por espanhóis e nós, por portugueses. Nas touradas espanholas, mata(va)m-se os touros, ao contrário dos português… Discordo.

Nós brasileiros, temos na veia a  lei do  Gerson “ tenho que levar vantagem em tudo”. Ou ainda, seguimos o ditado popular de “Em casa de farinha pouca meu pirão primeiro”?.  Ou não, simplesmente  terceirizamos o nosso pensar à Rede Globo, padres e pastores? Afinal quando estes nos convocam saímos às ruas e gritamos o que nos ditam a bradar.

Acredito que essa falta disposição não convocada, mas necessária é na verdade inconsciência, falta de entendimento do que de fato acontece. Só repetimos o que diz o William Bonner  e agora o que fala o pastor das diversas crenças enquanto  vocifera um dos Bolsonaros ou um dos seu asseclas leitor do Olavo de Carvalho .

Mesmo com tudo isso, eu ainda acredito que o Brasil tem jeito. Isso se dará quando deixarmos de olhar para o próprio umbigo e percebermos que se não aceitarmos as migalhas que nos é dada,  receberemos o quinhão justo que deve ser partilhado igualitariamente  com todos que contribuíram para construção do todo. Ou não?